Em 2021, o Andes-SN faz 40 anos; confira uma entrevista sobre o sindicato e as participação de Aduel e de Sindiprol/Aduel nele

 em Boletins

Nesta sexta-feira (19), o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) completa 40 anos. Como parte das comemorações, desde a primeira sexta de fevereiro (5) e em todas as sextas-feiras até o final do ano, estão sendo postados conteúdos de resgate histórico de toda a luta do Sindicato Nacional (confira no final do texto os conteúdos postados até agora). 

(Foto: Acervo pessoal)

Durante o ano passado e nas postagens desse ano, falamos que o Sindiprol/Aduel é, desde 2019, uma das seções sindicais do Andes-SN. De fato, o Sindiprol/Aduel, associação resultante da união entre Sindiprol e Aduel, em 2009, faz parte do Sindicato Nacional desde 2019 (mais informações aqui), mas é importante lembrar que, anteriormente, as e os docentes da Universidade Estadual de Londrina (UEL), organizados na  Associação dos Docentes da UEL (Aduel), integraram o Andes-SN durante décadas desde sua fundação. Para resgatar um pouco dessa história e falar sobre as lutas do passado, do presente e do futuro, conversamos com Silvia Alapanian (foto), que atualmente compõe a diretoria da Regional Sul (Paraná e Santa Catarina) do sindicato. 

 

Silvia, primeiramente, você poderia se apresentar e falar um pouco sobre sua carreira como professora da UEL e também sobre sua atuação no movimento sindical como um todo? 

SA: Meu nome é Silvia Alapanian, entrei na UEL em 1995 como professora do departamento de Serviço Social, do Centro de Estudos Sociais Aplicados (Cesa), onde atuei até minha aposentadoria em dezembro de 2018. Fui membro da diretoria da Associação dos Docentes da UEL (Aduel) em algumas gestões, tendo sido a presidente da última gestão, a que conduziu o processo de unificação entre a Aduel e o Sindiprol, em 2009. Desde então tenho participado das várias diretorias do Sindiprol/Aduel. Atualmente componho a diretoria da Regional Sul (Paraná e Santa Catarina) do Andes-Sindicato Nacional.

O Andes-SN completa 40 anos agora no dia 19 de fevereiro. O Sindiprol/Aduel faz parte do Sindicato Nacional desde 2019, mas, antes disso, a Aduel já havia sido uma das seções sindicais durante anos, até a saída para o processo que levou à fusão com o Sindiprol, em 2009, certo?  Como foi o processo de fundação do Andes-SN? Qual a importância de ter um sindicato para organizar nacionalmente a luta e a pauta docente? E como foi a participação da Aduel dentro dele?  

SA: Certo. O Andes foi fundado em 1981, em plena ditadura militar, como Associação Nacional do Docentes do Ensino Superior. O objetivo era organizar os docentes a partir da base, dos locais de trabalho, através de seções sindicais com autonomia de decisão e de organização, em confronto com o tradicional modelo de sindicalismo vigente no país.

Suas bandeiras foram, desde o início, a defesa da Universidade pública e gratuita, da autonomia universitária como garantia da livre manifestação do pensamento e produção de ciência, e das condições do trabalho docente.

A partir de 1988, quando a Constituição passou a permitir a sindicalização dos servidores públicos, o Andes se torna um sindicato mas mantém sua estrutura e vocação originais de organização autônoma por local de trabalho e de luta em defesa da Universidade.

Já a Aduel nasceu como Adhuel, de uma luta local contra demissões de docentes no Hospital Universitário. Em 1981, no mesmo ano de fundação do Andes, se transformou em Aduel. Esse processo era parte de um grande movimento de reorganização dos trabalhadores no início da década de 1980, e, nessa condição, docentes da UEL estiveram presentes na fundação do Andes e nas primeiras décadas de sua organização. Até o início dos anos 2000 a Aduel era a única seção sindical do Andes nas Universidades Estaduais do Paraná e formava, junto à APUFPR, as duas seções sindicais do Andes no Paraná.

As greves de 2000/2001 marcaram toda uma geração de docentes, estudantes e servidores que vivenciaram aquele grande movimento deixando como legado uma transformação na organização sindical das Universidades Estaduais paranaenses. Pudemos constatar aqui a importância de uma direção sindical unificada dos dois entes representativos dos docentes na região: a Aduel, com seu histórico de lutas pela Universidade, e o Sindiprol, que desde a década de 1970 estava presente na região levando a cabo as questões corporativas dos docentes.

Os anos seguintes foram de várias tentativas de conciliar os dois modelos de organização sindical e os projetos políticos envolvidos nas duas entidades, o que só foi possível com o Congresso de Unificação realizado em 2009. A unificação do movimento docente da UEL e região acabou impondo a saída da Aduel do Andes, no entanto, a perspectiva de participar do movimento docente nacional nunca ficou fora do radar da maior parte dos docentes

Depois da saída do Andes-SN, em 2009, a Aduel se fundiu ao Sindiprol para formar o Sindiprol/Aduel. Cerca de uma década depois, foi a vez de ser organizado e realizado o processo de reaproximação e, posteriormente, adesão ao Andes-SN, em 2019. Quais foram as motivações e qual a importância de voltar a fazer parte do Sindicato Nacional? 

SA: Foram mais alguns anos tentando romper as barreiras que impediam a nossa participação no movimento docente nacional. Mais uma vez, foram as lutas que impuseram essa necessidade: as greves de 2015/2016 mostraram para uma nova geração de docentes a importância da organização nacional para fazer frente aos constantes e cada vez maiores ataques contra as Universidades em nosso país.

O projeto do Andes-SN é mais do que um projeto de defesa de salários e condições de trabalho, embora isto esteja sempre em pauta (não nos esqueçamos que a carreira que nós temos, que foi implantada em 1997 aqui no Paraná, foi gestada no interior do Andes), trata-se de uma proposta de organização sindical única no país e de uma luta em defesa da Universidade.

Nos vários congressos que realizamos no sindicato a questão foi sendo amadurecida e, em 2018, em votação, os docentes deliberaram pelo retorno ao Andes.

Em 2020, foi realizado, de maneira telepresencial, devido à pandemia de covid-19, o processo de eleição da nova diretoria do Andes-SN (2020-2022), da qual você faz parte como 2ª Secretária da Regional Sul. Seguimos em 2021 com a pandemia fora de controle e com uma série de ataques aos serviços públicos e ao funcionalismo público como um todo. Nesse cenário, agora como diretora do Sindicato Nacional, quais você diria que são os desafios e as lutas para organizar e defender a categoria não só nesse ano, mas durante os próximos anos? 

SA: Em pauta está a luta contra os ataques à Universidade pública e contra o desmonte do financiamento da pesquisa científica. Além disto temos a luta contra a reforma administrativa, cujo objetivo é a destruição do serviço público em nosso país. Trata-se, hoje, de uma luta conjunta de toda a classe trabalhadora em defesa da educação e da saúde pública e gratuita e da vacinação de toda a população brasileira como forma de enfrentamento da pandemia.

 

Postagens do Andes-SN em comemoração aos 40 anos 

 

Como dito acima, o Andes-SN está postando às sextas-feiras conteúdos em suas redes sociais como parte das comemorações pelos 40 anos. Além das postagens, a próxima edição da revista “Universidade & Sociedade” terá como tema central “40 anos do Andes-SN: luta e resistência”. Os artigos podem ser enviados até o dia 12 de abril (confira mais informações sobre a chamada aqui).

Também em comemoração pelos 40 anos, nesta sexta (19), a partir das 18h, haverá uma live especial para celebrar a história de quatro décadas de luta, com a presença de entidades sindicais, movimentos sociais, estudantis, além do Teatro Popular de Ilhéus e da cantora Nina Rosa. A live será transmitida no canal do Andes-SN no YouTube e na página no Facebook

 

Abaixo estão os conteúdos já postados pelo Sindicato Nacional, que seguirão sendo atualizados aqui no site do Sindiprol/Aduel até o final do ano. Para baixar o material na íntegra e compartilhá-lo em suas redes, se inscreva no canal do Andes-SN no Telegram.

5 de fevereiro 

Na primeira divulgação oficial, é possível conferir um pouco do que está sendo preparado para os próximos meses. A mensagem apresentada é assinada por Rivânia Moura, Amauri Fragoso e Regina Avila, da Executiva Nacional. 

12 de fevereiro 

 

A história do Andes-SN é formada por diversos momentos de lutas, conquistas, desafios e vitórias. Logo, selecionar alguns poucos acontecimentos emblemáticos é tarefa muito difícil. Por isso, durante todas as sextas-feiras do ano, tentaremos mostrar a história da instituição de uma maneira acessível e dinâmica a fim de divulgar a trajetória de lutas desta entidade durante 40 anos. Em 4 décadas, o país enfrentou profundas mudanças e o Andes-SN soube acompanhar esse processo e permanecer firme em seus ideais ao longo do tempo, com ações na defesa dos direitos dos docentes e da educação pública de qualidade em todo o país.  

Após a promulgação da atual Constituição Federal, de 1988, durante II Congresso Extraordinário, realizado na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, foi aprovada a transformação da Andes em Andes-Sindicato Nacional. Destaca-se que, durante a ditadura empresarial-militar, as servidoras e os servidores públicos eram proibidos de se sindicalizarem. Apesar da transformação em sindicato ter ocorrido em 26 de novembro de 1988, o registro sindical ocorreu apenas em 01 de março de 1990. 

19 de fevereiro 

Nos dias 16 e 17 de fevereiro foi realizado, em Campinas (SP), o III Encontro Nacional das Associações de Docentes (Enad). Na pauta, estava a criação de uma entidade nacional para defender e representar os e as docentes de todo o país.

Em plena ditadura empresarial-militar, surge em 19 de fevereiro de 1981, a Andes, a Associação Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior. Sete anos depois, a Associação é transformada em Sindicato Nacional. Hoje, comemoramos 40 anos dessa história. 

26 de fevereiro

Como dito anteriormente, durante todas as sextas-feiras traremos alguma lembrança da história do Andes-SN. Hoje, vemos um registro histórico de divulgação da instância máxima de deliberação do Sindicato.

Todas as decisões do Andes-SN são deliberadas pela base e, por isso, anualmente, desde sua fundação, o Andes-SN realiza Congressos Nacionais, que reúnem representantes de suas Seções Sindicais para que possam, de forma democrática, realizar votações e definição das pautas do Sindicato. O 1º Congresso Nacional do Andes aconteceu na cidade de Florianópolis entre os dias 1 e 5 de fevereiro de 1982, com as principais pautas: Avaliação do movimento; programa de luta; estatuto definitivo; eleição da 1ª diretoria.

5 de março

O Governo Federal tem tentado silenciar as brasileiras e os brasileiros de diversas formas. Na semana que se encerra, pudemos acompanhar números recordes de mortes por covid-19, mais ações que derrubam direitos conquistados, como a aprovação da PEC 186, e atitudes arbitrárias que pretendem desrespeitar a livre manifestação do pensamento.

Os e as docentes estão em luta! #nãovãonoscalar

19 de março

Depois de 20 anos de uma ditadura empresarial-militar, marcada pela tortura, repressão e censura, a classe trabalhadora saía às ruas e soltava um grito longamente reprimido nas gargantas: Diretas Já!

Após o III Congresso da Andes, em 1984, assim o Andes-SN se posicionou em um manifesto ao povo brasileiro: (…) “Como cidadãos integramo-nos à campanha das diretas já, entendendo não ser mais possível ao povo brasileiro deixar de intervir nos destinos do governo da nação. Basta de arbítrio, de opressão, de miséria, de desemprego, de fome, de lei de segurança nacional, de intervenção nos sindicatos. Como professores integramo-nos à campanha das diretas já, entendendo ser nossa obrigação educar para a liberdade e para democracia. Basta de analfabetismo, de escassez de verbas para a educação, de política privatizante para o ensino superior”.

26 de março

Tanto a professora Zelma Torres como o professor João Carlos Thomson foram docentes da UEL e presidiram a Aduel

Em 1991, é lançada a 1ª Revista Universidade e Sociedade. A publicação, trata dos mais variados assuntos sobre o movimento docente e a educação no país, e que tem periodicidade semestral até hoje.

Em seu primeiro exemplar, a revista U & S abordou temas como a história do Sindicato e do movimento docente, a LDB, e trouxe uma entrevista com o pedagogo Paulo Freire.

2 de abril

DITADURA NUNCA MAIS!

Na semana em que o golpe empresarial-militar completa 57 anos, o Andes-SN recorda a prisão ilegal do professor Reynaldo Antônio Cúe pelo DOPS em São Paulo, em 1982.

Na ocasião, o Andes-SN acompanhou o caso e logo que foi informado da prisão ilegal, encaminhou ofício ao então Ministro Abi – Ackel denunciando a prisão. Cué ficou 40 dias preso no DOPS e depois foi liberto.

21 de maio

Uma campanha popular tomou as ruas para pedir o afastamento do presidente eleito, Fernando Collor de Mello, acusado de corrupção e envolvimento em esquemas ilegais. O Andes-SN participou ativamente do movimento.

No 24º Conad, em 1992, dentre os encaminhamentos destacou-se que: (…) “Participar ativamente, com o conjunto do movimento sindical, dos partidos políticos e demais setores da sociedade civil, de uma campanha de massa pelo impeachment. O impeachment não pode ser entendido como mera ‘restauração da normalidade’, mas como uma luta efetiva pela conquista da democracia e pela defesa das conquistas democráticas e sociais inscritas da Constituição”.

Memória Viva do Andes-SN

O Memória Viva nasce com a proposta de prestigiar quem construiu o Andes-SN ao longo dos últimos 40 anos. Será um programa de entrevistas conduzido por diretoras e diretores do Sindicato Nacional e que vão conversar com diversas pessoas que marcaram as (quatro) décadas da entidade. O projeto será exibido quinzenalmente em nosso canal no YouTube, sempre às 19h.

A novidade começa com uma entrevista super especial. Conversamos com a Fátima Alves, que foi secretária administrativa do Sindicato Nacional por 34 anos e se aposentou em 2018. Fátima ingressou no Andes-SN como funcionária, no auge da luta pela redemocratização, em 84. Foram três décadas e meia de uma trajetória que se mistura com a história do Sindicato Nacional.

O programa pode ser visto no YouTube.

Memória Viva #002 do Andes-SN

Na edição #002, conversamos com Elizabete Vale, professora da UEPB, Universidade Estadual da Paraíba. Elizabete é natural de uma pequena cidade do interior do Rio Grande do Norte, próxima a Mossoró. Se graduou na UERN e é doutora em Educação pela UERJ, professora do departamento de Educação da Universidade Estadual da Paraíba, foi também diretora e secretária da ADUEPB em duas gestões e atualmente é membro do conselho de representantes da ADUEPB e contribui com o grupo de trabalho de políticas educacionais.

O programa pode ser visto no Youtube do Andes-SN.

Memória Viva #003 do Andes-SN

Na edição #003, conversamos com Luiz Henrique Schuch – Presidente do Andes-SN no biênio 94/95. Luiz Henrique Schuch é professor da Universidade Federal de Pelotas e possui uma longa trajetória na política sindical. No Andes-SN, passou por diversas gestões, entre elas no biênio 1994-1996, como presidente, e entre 2010 e 2012, como 1º vice-presidente. Nesta gestão, participou ativamente da condução das lutas dos professores durante a greve nas instituições federais de 2012, considerada a mais longa da história. Schuch também foi vice-reitor da UFPel de 1988 a 1992 e coordenador do processo nacional de debate sobre a carreira do professor federal após 2010.

O programa pode ser visto no Youtube do Andes-SN.

Podcast “Andes em Luta”

No dia 28 de maio (sexta-feira), o Sindicato Nacional estreou o “ANDES em Luta”, um podcast que pretende ser uma referência para diversos assuntos do momento. Mensalmente, pela manhã, todas e todos vão poder ouvir informações e análises importantes sobre educação, política, conjuntura e muito mais.

O primeiro episódio fez uma análise do que foi o dia Nacional de Luta – A educação precisa resistir – e um convite para que todas e todos ocupassem as ruas no 29 de maio (mais informações sobre o 29 de maio estão no site do Sindicato Nacional; para ver sobre a manifestação realizada em Londrina, clique aqui). Ele contou com a participação de Rivânia Moura, Regina Ávila, Sâmbara Paula e Joselene Mota – todas da diretoria nacional do sindicato.

O podcast está disponível em agregadores de podcast como o Spotify.

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar